Dia de Campo discute a produção de limão Taiti em Monte Alegre

18-11-2013 08:25

Iolanda Lopes

Aumentar a produtividade do limão Taiti, disseminar técnicas e tecnologias para a expansão da lavoura e discutir o beneficiamento e a comercialização da produção do fruto foram os objetivos do I Dia de Campo que a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) realizou em Monte Alegre. O evento, ocorrido no último dia 16, reuniu 258 agricultores envolvidos diretamente com o cultivo do fruto.

Monte Alegre é um dos maiores produtores de limão Taiti do Estado do Pará. Da lavoura, em franca expansão, são colhidas hoje mais de 51 mil toneladas do produto anualmente, distribuídas em pouco mais de mil hectares plantados, com mais de 220 mil pés em produção. Segundo dados da Emater, cada pé de limão em Monte Alegre produz, em média, 180 quilos do fruto por ano, produtividade considerada de excelência e que coloca o limão Taiti como a segunda maior atividade econômica do município.

A partir do terceiro ano do plantio, idade comercial da planta, o retorno financeiro com a cultura representa até 70%. Obedecendo aos tratos culturais adequados, verificando as mudas para a formação das áreas produtivas, desenvolvendo adubação correta e utilizando o solo adequado para os plantios, os limoeiros podem ter vida útil superior a 15 anos.  

Maria Odete Coelho, que tem cerca de 700 pés de limão Taiti plantados, chegou a perder, sem nenhuma técnica, 20% da lavoura. “Essa é a primeira vez que tenho oportunidade de observar como plantar o limão. Até isso eu fazia de forma incorreta", disse a agricultora, que tem no limão a maior fonte de renda da família. "Agora aprendi que, obedecendo às técnicas, só tenho a ganhar”.

O agricultor familiar Ourivaldo de Brito, que planta limão há pelo menos 10 anos, tem quase três mil pés em produção e oferece cinco empregos diretos na lavoura. “Nos últimos dois anos aumentei em mais de 20% minha produção, devido ao acompanhamento técnico da Emater”, comemora.

Segundo dados da Emater, até 2014 serão mais 150 hectares de áreas novas plantadas, o que vai representar 42 mil novos pés de limão Taiti. A cultura do limão faz girar em Monte Alegre, anualmente, pelo menos 23 milhões de reais, oferecendo mais de 1.300 empregos diretos e indiretos. “Todo esse limão se desenvolve em cima de áreas alteradas e algumas degradadas, consideradas improdutivas. Até 2014 teremos um aumento de 30% na safra”, disse Francisco Carlos Lima, técnico da Emater.

O Dia de Campo contou com a presença do diretor técnico da Emater, Humberto Reale, e do engenheiro agrônomo Jerry Siqueira, especialista em citricultura, que desenvolve a atividade citrícola (limão, laranja e tangerina) em Capitão Poço, maior produtor de laranja do Norte do Brasil. Toda a produção de limão em Monte Alegre tem mercado garantido e os maiores mercados consumidores são o município paraense de Santarém e os estados do Amapá e do Amazonas.

[Fotos – Waldiney Ferreira]